08 agosto 2012

João Emanuel Carneiro prepara nova virada para ‘Avenida Brasil’


Do Globo

Trama das 21h da Rede Globo, vem alcançando 41 pontos na média nacional do Ibope: autor diz que “há uma pressão grande para agradar”

RIO - Autor do maior sucesso da TV brasileira no momento e responsável por recapturar para as novelas aquele espectador que já tinha abandonado esse hábito, João Emanuel Carneiro, 42 anos, senta-se à frente do computador às 15h, faz uma interrupção para assistir a “Avenida Brasil” e só encerra o expediente às 3h da madrugada. Ele divide o escritório, num canto do apartamento em obras, com uma maquete do bairro do Divino, obra do cenógrafo Alexandre Gomes. “Escolhe uma casa pra você, só não pode ser a mansão do Tufão, que já é minha”, brinca. 

Cansado, ele está, mas também feliz com os resultados. “Avenida Brasil” tem 140 capítulos escritos, 115 deles já exibidos, e 41 pontos de média no PNT (média nacional do Ibope). O público que segue a vingança de Nina tem mais qualificação que o de “Fina estampa”: 39% são das classes AB, dois pontos a mais que sua antecessora. Já a classe C contabiliza 53% das duas. Os altos números são diretamente proporcionais ao imenso volume de trabalho, coisa que o autor chama de “um oceano de capítulos”. Para atravessar sua avenida pessoal, João cultiva aquilo a que costumamos dar o nome de “ganchos”, ou tramas eletrizantes. 

Ele descreve de outra maneira: “São factoides que crio para mim mesmo para provocar uma nova dinâmica na história e me manter animado”. O mais jovem do seletíssimo time dos que escrevem para as 21h da Globo tem guardadas muitas viradas para seu enredo de vendetas, algumas das quais revela nesta entrevista.

Quando escreveu “Da cor do pecado”, você declarou que era importante contrariar o público e, apesar dos apelos dos telespectadores, matou o personagem de Lima Duarte. Continua com essa convicção?
É uma negociação. Antes, não havia tanta cobrança da imprensa nem a força da internet e a pressão nas redes sociais. Qualquer mínimo erro agora é apontado por um telespectador, que grava tudo e cobra. Por outro lado, se não houver um mínimo de surpresa, se o autor fizer tudo de acordo com o que o espectador quer, as novelas ficarão reféns de uma receita de bolo. Há uma pressão grande para agradar. Não digo que ainda defenda a ideia de contrariar radicalmente, de fazer uma história de freiras lésbicas assassinas (risos). Mas surpreender é fundamental.



No caso de “Avenida Brasil”, o que contrariou o público?
A aproximação entre Nina (Débora Falabella) e Max (Marcello Novaes) foi motivo de muitos protestos, houve um feedback negativo de espectadores que ligaram para a Globo. Mexi na trama para amenizar. Resgatei a humanidade de Nina pelo lado heroico dela, que obrigou a Carminha (Adriana Esteves) a tratar bem a filha e as empregadas.

Fez isso para enganar o público sobre Nina? Ela pode ser uma vilã, naquele mesmo jogo de inversões que você criou em “A favorita”?
A ambivalência da heroína não significa que ela seja uma personagem negativa. Nina é do bem, eu garanto. Eu estou do lado de Nina, se eu fosse ela, faria tudo o que ela faz. Mas gosto que o público fique dividido. Não me lembro de uma história que tivesse este tipo de condução para sua heroína, é atípico mesmo. Mas, agora, diferentemente de “A favorita”, não estou brincando de inversões de caráter. O jogo aqui é até onde se pode ir em nome de uma revanche, até que ponto se pode fazer a coisa certa de maneira errada.

Quando “A favorita” estava no ar, falava-se muito na maldade das personagens. Agora é assim também?
Não há tantos personagens amorais. Temos Carminha e Max, é claro. Mas, preciso confessar: tenho uma simpatia secreta pela Carminha (risos). Aliás, a Adriana Esteves é a estrela cadente da novela. Ela fez uma Carminha muito além do que eu imaginava, muito além do que escrevi, me dá estímulo para enfrentar tanto trabalho.

Por que você acha que o público simpatiza tanto com ela?
Temos que provocar o telespectador com personagens carismáticos, mesmo que eles não sejam corretos.

Qual será a próxima virada?
Carminha conseguirá recuperar as fotos que a incriminam. Elas estão com Débora (Nathália Dill), com Begônia (Carol Abras), com Betânia (Bianca Comparato) e num cofre no banco. Ela vai tripudiar em cima da Nina. Usará o dinheiro que Nina deu para Max para incriminar a ex-enteada diante da família Tufão. E vai fazer fotos de Nina com Max, em que eles vão parecer estar namorando. E mostrará para Ivana (Letícia Isnard). Carminha fará Nina parecer uma psicopata. Mais eu não conto.

Voltando ao assunto, “A favorita” era criticada por “conter muita maldade”. Por que agora não é assim?
Acho que meu trabalho amadureceu de lá para cá. “Avenida Brasil” é mais temperada com humor. “A favorita” não tinha um núcleo cômico, isso fez falta. Essa novela é mais integrada que a outra. Vai ficar mais ainda daqui a pouco, porque Cadinho (Alexandre Borges) vai ficar pobre e se mudará para o subúrbio com as três mulheres. Elas vão ter que se misturar com os suburbanos.

Alguns personagens, principalmente Tufão (Murilo Benício), aparecem lendo clássicos da literatura. Você partiu de alguma história, como “O primo Basílio”? O público deve buscar pistas do mistério nos livros?
Não. É só uma brincadeira com a obra de Eça de Queiroz. Fiz a Juliana (a criada do romance, personagem que chantageia a patroa) ter razão. Nina é uma Juliana autorizada. Me divirto com a ideia de uma empregada que pode dar aula aos patrões. Nos próximos capítulos, a família Tufão, que tem muito dinheiro e nenhuma cultura, vai assistir ao DVD de “Noites de Cabíria” (filme de Federico Fellini). Muricy (Eliane Giardini) ficará irritada e dirá: “Mas gente, qual a graça desse filme? Só tem artista que já morreu, ninguém que aparece nas revistas de fofoca.”

Você mexeu na sua história central à medida que foi escrevendo?
Fiz duas sinopses, uma para a imprensa, com parte do enredo, e outra, mantida em segredo pela direção da Globo. Não mudei nem pretendo mudar a estrutura. Estou caminhando para algo que foi estabelecido lá atrás, mas, ao longo do trabalho, mexi aqui e ali. Novela é uma obra aberta e deve ser assim. Mas o trabalho de certos atores foi tão bom que acabei mexendo na dimensão dos personagens. Por exemplo, a Ísis Valverde está se saindo tão bem que a Suelen cresceu muito, isso não era previsto. Tenho na cabeça, pronta, a história central, que é a da vingança. As tramas secundárias vão acontecendo. Fiquei muito satisfeito com a escalação. Já houve ocasiões em que isso não rolou de maneira tão redonda, como em “A favorita”. Desta vez, o conjunto foi caminhando para um resultado muito feliz. A novela tem uma coisa legal de improviso também, que tem a ver com o fato de os atores estarem gostando de fazer.

Você aprova os cacos?
Eu acho bom. Gosto muito da direção da Amora (Mautner, que divide a direção-geral com José Luiz Villamarin), que cuida do núcleo central, da família do Tufão, que é a base de tudo. Sou aberto a esse elenco e a essa diretora. Ela estimula os cacos. Tenho surpresas ótimas quando vejo as cenas gravadas. Um dos pontos altos é o Marcos Caruso. Adoro o Leleco que ele faz, cheio de improviso. Murilo Benício também está espetacular. Ele é a alma, o coração da novela. O Tufão é o personagem mais difícil de todos, aquele que eu mais temia. É um homem enganado, poderia ser um chato, ficar bobo. Mas Murilo trouxe humanidade a ele. Outro ator que me surpreendeu é o Juliano Cazarré, que faz o Adauto. Passei a escrever para ele.

Qual o peso da audiência?
Graças a Deus, minha audiência é boa. São números que não se veem há muito tempo. Por isso, me sinto autorizado a defender que temos que fazer televisão sem pensar só nos números. Minha novela mostra que as pessoas querem uma história diferente. Penso numa história que gostaria de acompanhar, não tentando agradar alguém que não tem rosto, que eu nem sei quem é. Por isso me agradam as histórias de Silvio de Abreu, Gilberto Braga e Ricardo Linhares.

Você fez uma novela ambientada no subúrbio, mas desviou da classe C clichê...
Não quis fazer uma caricatura do subúrbio, ao contrário, quis debochar da Vieira Souto. Os ricos hoje têm uma vida acomodada na riqueza. O cara chegou lá e pronto. Aquele luxo puro deixou de ser um referencial. O Lula e a Dilma esvaziaram essa visão positiva das elites. O luxo não já não enche os olhos visto na tela. Mas quem tem dinheiro não possui necessariamente a informação. A cultura está sucateada. Hoje, no Brasil, um encanador ou um comerciante ganham mais que um professor universitário. Não quis fazer uma tese sociológica, mas mostro isso.


ATENÇÃO: Os comentários postados no Portal Celebrinando são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site.

Pesquise

Custom Search

Veja também...